Publicações



KPMG divulga resultado de sua pesquisa global

Por André Barros

- 12/02/2019

São Paulo – A KPMG apresentou, na manhã da terça-feira, 12, seu tradicional estudo Global Automotive Executive Survey, versão  2019, que aponta as principais tendências para a indústria automotiva na ótica dos tomadores de decisão das empresas e dos consumidores. Nessa vigésima edição responderam ao questionário mais de 1 mil executivos e mais de 2 mil consumidores de 41 países – do Brasil foram 66 executivos e 113 consumidores, em torno de 6% a 7% da amostragem total.

 

Os resultados do estudo foram divididos em quatro grandes capítulos: Megatendências Além do Óbvio, Valor do Produto, Valor do Consumidor e Valor do Ecossistema. Os principais temas em debate nas salas de reuniões das companhias do setor, como o futuro da combustão, veículos elétricos e autônomos, tendências de conectividade, mobilidade e tendências regionais estão contemplados.

 

Estão ali o número global e também a amostragem regional, por meio de ferramenta que a KMPG criou para oferecer o resultado do estudo. No caso de veículos elétricos e autônomos, por exemplo, as visões dos consumidores e dos executivos brasileiros diferem bastante das de outras regiões, como Europa e China.

 

“Há ainda uma questão importante, que é a disponibilidade de matérias-primas para desenvolver as baterias elétricas”, destacou Aline Dodd, executiva global da área automotiva da KPMG. “Essas questões são importantes para guiar o futuro dos motores a combustão.”

 

A executiva falou também da infraestrutura para esses modelos elétricos, que diferem por região do globo.

 

De toda forma os carros elétricos são apenas um dos temas do aprofundado estudo gerado a partir da pesquisa, que, se fosse impresso, teria mais de 2 mil páginas. Um tema importante que passa a gerar mais atenção devido aos últimos movimentos do setor, como as parcerias Ford-Volkswagen e BMW-Daimler, é a chamada Co-competição, uma junção dos termos cooperação e competição.

 

Segundo Dodd com o aumento da complexidade da indústria, com produtos e serviços evoluindo em alta velocidade, os competidores não conseguirão agir sozinhos para cobrir toda a cadeia de valor. Essa cooperação é considerada, por ela, “um mapa secreto para a ilha do tesouro”.

 

Durante a apresentação, no Palácio Tangará, em São Paulo, foi anunciada também a primeira edição da pesquisa sobre a indústria brasileira. A iniciativa é uma parceria da KPMG com AutoData e os leitores receberão, em breve, o questionário que servirá como base para o estudo, que será revelado no Seminário AutoData Revisão das Perspectivas, em junho.

 

O estudo global divulgado na terça-feira, 12, pode ser acessado aqui.

 

Foto: AutoData.